Identidade, representação, empoderamento em Lamentações da Princesa Flama


Toda vez que entro na Steam olho a lista de jogos que a loja me sugere, e não é pouco comum que alguns deles tenham a tag de female protagonist. São jogos em que a ação é executada por uma mulher, o que em geral quer dizer: o sprite tem um corpo feminino. Fico pensando: quem é que joga um game pelo fato de ter o sprite de uma mulher?

Morrendo como porcos


Mas o que quero aqui não é bem recomendar a humildade ou a temperança, e sim mostrar o quão miseráveis somos e quão rápido todas as glórias que podemos obter se esfarelam em nada. E o quanto estes fatos tornam aqueles dentre nós ávidos e cegos por tais glórias, não mais honoráveis e respeitáveis, mas mais mesquinhos, ridículos e vãos.

Palavras mais procuradas hoje no Dicionário de sinônimos


O que me maravilha, porém, e que chamo a todos para que vejam, é o movimento da História. Esse em que o que tinha sentido, propósito, finalidade, se torna um processo automático, industrial, não-artesanal, e exatamente por isso, abundante, sobrante, irrelevante: invisível, até. Porque o que antes tinha que ser buscado num texto de Borges, garimpado numa análise de Foucault, visto em meio à aura da irreprodutibilidade de um happening dadaísta, hoje é jogado aos nossos olhos distraídos que fecham a aba sem nem terminar de entender do que se trata.

Presente-resenha de “Mensagem de amor”


A segunda observação, que pode ser lida como uma síntese de parte do que já disse, é que não é possível ser amigo de qualquer pessoa. Eu mesmo não pensava assim, creio que Pedrão o saiba. Acredito que por ingenuidade, ou por não ter vivido situações-limites nas quais convicções morais jogam um papel crucial, achava que era possível contornar essas divergências ou ignorá-las, mantendo-as fora da intersecção de perspectivas que amigos compartilham. A vida adulta, porém, me mostrou que não é assim.

Presente-resenha de “Eu vou… levando a vida, Zé”


Mas destaco aqui que, nesse particular, vemos uma vez mais Pedro fazendo muito com pouco. Ele é capaz de pegar a parte ínfima do que quer que seja e nos devolver um opulento sistema, rico de consequências e pressupostos. Ele é dotado da singular capacidade de enriquecer o menor dos elementos do cotidiano. Em suas mãos, uma cadeira quebrada, um gesto displicente ou a asa caída de um inseto podem dar azo a uma intrigante rede de raciocínios, permeados por referências tão variadas quanto inusitadas – em suas construções o nome de Aristóteles pode a qualquer momento preceder ou suceder o de Anitta, por exemplo.

Para ler com prazer, desde já


Uma coisa que me revoltava naquela época era sentar pra beber com gente mais velha, na casa dos quarenta anos. Achava-as cínicas, hipócritas, afrontando minhas certezas com sorrisos sádicos nos lábios, ao mesmo tempo em que viviam vidas em contradição com as verdades que aparentavam defender. Gente degenerada, de moralidade frouxa, indiferente à própria decadência, eu é que não queria envelhecer e me tornar nisso.

Presente-resenha de “Sobre fazer amizades”


…para fazer amizade com alguém é necessário que haja algo em comum entre as pessoas, e isso tem a ver com nível de escolarização, classe social, etc. – mas não só isso. Isso não é suficiente, acredito que para que uma amizade seja feita é fundamental a admiração e respeito pelo outro, e para que a amizade seja mantida é necessário disposição e muitas vezes esforço.

Presente-resenha de “O que eu penso que estou fazendo”


A despeito dos muitos anos de convivência existe um espaço das nossas vidas em que eu me relaciono com Pedro como se o conhecesse há não muito tempo. É como se Pedro permanecesse estranho para mim. Mas não no sentido de desconhecido, mas de estranhamente familiar. Pedro põe em prática aquilo que eu não tenho coragem de fazer.

Escolhendo romances para os amigos


Dizer que podem prescindir dos clássicos a pessoas que não se apoderaram deles; dizer que não precisa conhecer a própria língua a quem não a domina a ponto de sentir zelo por ela; e dizer que o senso comum vale tanto quanto o que se adquire na escola e na academia a quem desconhece tudo e ignora os parâmetros de diferenciação a ponto de achar que a opinião de um participante do BBB está em pé de igualdade e pode refutar Freud — tudo isso é falso, porque só possui escolha quem dispõe de muitas opções e decide entre elas com liberdade.

Civilization: História, meta-história e história da História


É como se todos os esforços feitos antes tivessem, se não conscientemente, ao menos de uma maneira intrínseca, misteriosa, o propósito de se conduzirem ao ponto em que estamos agora. Mas entender a História assim é afirmar que as pessoas, quando criam nos anos 90 que devíamos concentrar esforços na cura do câncer, estavam na verdade colaborando para a popularização da internet. E é por isso que a História, como nos ensina Marx, só ilumina de trás pra frente, do fim pro começo.

Filosofar na praia dá nisso


A realidade é mesmo infinitamente mais complexa que qualquer ideia que fazemos dela. E em meio a tais considerações sobre as escolhas teóricas que faço para interpretar os dados do real, começo a pensar se minhas preferências intelectuais interferem na minha disposição de ir à praia e portanto na subtração de areia que faço todo dia um pouco mais.